Hey Judas

“Ei, não precisa olhar para mim” disse ela querendo se fazer notada. Eu não mudei, sou aquela mesma menina que é uma menina apesar dos seus 20’e muitos anos. Ela ainda odeia tomate mas hoje come salada, desenvolveu o paladar pro pepino, alface e acrescentou a cenoura. Hoje ela faz exercícios, dorme com facilidade e não toma mais refrigerante, está mais velha uns 10 anos depois desse último ano.
Ela continua dormindo nos filmes e criticando aquele figurante do outro lado da rua que olhou pra camera. Ela ainda é teimosa e tentar tomar as rédeas de toda e qualquer situação. Mas hoje ela anda mais calada, consegue guardar para si aquilo que a atormenta e sabe esperar que Deus toma conta de tudo, isso, ela aprendeu com o que você deixou, a dor.

“Ei, olha pra mim! Olha como eu não mudei.” Mas olha, olha agora e vê que ela te coloca como um divisor de aguas em sua vida, da agua pro vinho, do azar para a sorte, da tempestade para o mar aberto.
Não é triste? Não é triste ser lembrado como uma pedra que atravessou o seu caminho? Mas não apenas triste, foi necessário faze-la esperar pelas oportunidades que só surgiriam muito tempo depois. Sim, um grande passatempo dolorido que a fortaleceu. Como é bom aproveitar a liberdade que você deixou para ela.

“Ei, olha pra cá! Não você, o outro ali… sim você” olha mais profundo, ela não é essa fortaleza toda que você pensa que ela é. Vc não deveria se assustar, tenta, protege-a das coisas que ela sabe que pode dar conta, mas as vezes precisa apenas colocar a cabeça no seu ombro e dormir, afasta o mal com apenas uma mão em sua cintura, manda ela ir almoçar, ta magrinha demais.
“Ei, vem pra perto! Já sinto falta… Já deu, acho que brincar de ter 20 e poucos  anos, cansou”

Precisa pagar o aluguel, o cartão, passar na farmácia e fazer o imposto de renda mas ainda resta tempo de pegar um avião e te abraçar.

Anúncios