Lições de uma viagem sem fim – Parte 2

Perdeu a primeira parte? calmaê, clica aqui

Quanto suspense né? Mas assim o post fica menor e mais fácil de ler :) Continuando….

Lição 4 – Não é porque você ta na Europa que você está seguro. Notei que o carro tava aberto e o vidro do motorista quebrado, sim. Fomos roubados… Fiquei com a roupa do corpo e as coisas que eu carregava na bolsa. Meu ipad, todas as minhas roupas de frio, 2 botas e incrivelmente, meu passaporte… se foram. Nesse momento eu não processei direito a informação, ficamos 2h procurando uma delegacia pois eu simplesmente não conseguia raciocinar e entender o mapa (continuava usando o gps), quando encontramos estava fechada. Minha amiga ficou surtando o caminho inteiro deixando a situação mais complicada ainda, até que, paradas num sinal, um cara se aproximou pra pedir dinheiro e essa menina quase morreu do coração. O cara mostrou uma arma pra gente, eu sinceramente não entendi se ele queria me assaltar, me matar ou vender a arma só sei que minha visão ficou turva e acho que quase desmaiei… Só lembro que acelerei com o pensamento de: “se é pra morrer que seja tentando viver”. O cara ficou pra trás e eu eu segui, em estado de choque, para o hotel onde alguns dos meninos estavam hospedados. Um amigo meu chegava de Munique (Khaliid) para passar o final de semana com a gente e eu tinha que pegar ele na estação de trem, não deu, óbvio, e eu pedir pra ele pegar um taxi e ir pra o hotel, encontrar ele lá foi como ter um alívio imediato para aquele pesadelo que só começava.

Lição 5 – Você só sabe que tem amigos quando eles ficam do seu lado em situações críticas. Após contar a novidade para a galera informei que amanhã cedo iria na delegacia. Ninguém se manifestou, ficou um silêncio constrangedor no quarto como quem diz: “beleza, mas não quero me envolver”. E uma das meninas estava bêbada/drogada o suficiente e ficou rindo o tempo todo. Naquele momento eu tive vontade de socar um papel higiênico na boca dela mas Khaliid não deixou. Eu só queria dormir, tentar processar tudo aquilo. Voltamos pro hostel, sem banho, sem roupa, sem aquecedor. No dia seguinte, acordei todo mundo e disse: to indo pra delegacia e mais uma vez ninguém se manifestou. Fui eu, Khaliid e a outra minha amiga (a surtada). Achamos uma delegacia e eu queria destacar o tratamento que a gente teve lá, nos deram até café da manhã. O policial se solidarizou com a gente e me deixou usar o telefone pra ligar pro Brasil. Por mais frustrada que eu tava por ser roubada na Europa, atendimento assim a gente não encontra em todo lugar. Enfim, no carro também tinha uma mala de outra menina e ela não apareceu na delegacia pra fazer o B.O, ficou me ligando dizendo que era pra colocar isso e aquilo no B.O por conta do seguro viagem dela, perdi a manhã inteira lá pra fazer serviço pros outros? Fiquei extremamente irritada e só fiz uma pergunta pro policial: o B.O vai ser em Holandês? E ele disse que sim.. respondi pra ela: pode deixar, vou colocar tudo que você pediu! pfff com gente escrota a gente precisa ser escrota também. Falei pro policial que ela tinha perdido uma sacola com shampoo e condicionador  e assim o B.O foi feito.

IMG_7334

Saímos de lá, querendo apenas comer e pensando em retornar pra Rennes o mais rápido possível. Liguei pra os meninos e pedi pra encontrar com eles em um local específico… no caminho tive que comprar uma muda de roupa, né? já tava agoniante. Chegando no local marcado esperamos cerca de 30min por eles e quando eles chegaram estavam TODOS DE BICICLETA, aproveitando o outono holandês. Fiquei putíssima e falei que ia voltar naquele dia pra Rennes e ninguém concordou, disseram que todos pagaram pelo carro então todo mundo tinha direito de opinar. Éramos apenas 2 contra eles, e eu, a imbecil, tive que aceitar ficar mais uma noite naquele inferno. Minha amiga surtou e disse que não aceitava e simplesmente foi embora, sem celular e com o que restou do que roubaram dela. Tentamos ir atrás dela mas foi inútil ela simplesmente sumiu… comecei a me sentir mal porque agora eu tinha um roubo, uns incompetentes, uma amiga desaparecida e a culpa de estragar um final de semana de Khalid. Eu tava fraca e completamente sem saber o que fazer, ele me abraçou e disse: não vou te deixar sozinha. Os meninos ~de bicicleta~ não fizeram absolutamente nada, assistiram a cena. Peguei o carro e disse: amanhã, às 10h. Se vocês não estiverem lá eu vou embora.

Recebi uma mensagem da minha operadora de celular mas a gente nunca lê né? Tinham cortado meu plano de dados porque minha conta já estava em €70 por conta do romming de dados! Nada pode ser tão ruim que não possa piorar. Como eu iria voltar praquele hostel LIXO? sem gps… eu só lembrava onde era o hotel dos meninos e foi pra lá mesmo que eu fui, decidida que precisava de um banho quente, uma cama boa e um quarto com aquecedor. Mas lembrei que roubaram também meu cartão de crédito e eu não tinha como pagar HAHAHAHA não sei se nesse relato eu to conseguindo descrever o tamanho do meu desespero durante esses dois dias mas acreditem, eu nunca me senti tão inútil em toda a minha vida. Desejei morrer ali mesmo e pronto, deixar que os outros cuidem do resto. Eu tava exausta psicologicamente e fiz o que você nunca deve fazer quando acontece uma merda com você no exterior: ligar pra família. Minha ideia era: “me da um numero de cartão de credito aí só pra eu pagar o hotel”. Mas sabe quando pela primeira vez você escuta uma voz familiar depois de todo esse pesadelo? eu desabei e não conseguia falar nada com nada. No meio da ligação a minha amiga apareceu do nada na minha frente dizendo que conseguiu um trem pra Rennes naquela noite, eu, aos prantos fiquei em choque “hã? como assim?” que situação bizarra… E ela sumiu de novo. Meu irmão não entendeu absolutamente nada e a ligação caiu. Khalid me viu naquela situação e decidiu passar no cartão dele uma diária no hotel.  E sabe que aqui quando passa o cartão sempre é no débito né? não tem essa de “mês que vem eu pago”. Khalid ficou sem nada na conta :( mas nem ele nem eu aguentávamos mais aquele dia e ele tinha que terminar.

Lição 6 – gente escrota é sem limites. Nós tinhamos certeza que as 10h da manhã ninguém estaria no hall do hotel então dormimos até às 10h. Tomamos café, tiramos fotos no topo do hotel e aproveitamos cada segundo até meio dia. Meio dia, check-out e eu ligo pra um deles: ESTOU HÁ 2H ESPERANDO VOCÊS! hihi todo mundo entrou no carro. Depois de uma noite de sono descente e dois banhos, meu juízo voltou a funcionar… me mandaram seguir um dos carros e o djabo que segue. Peguei a rodovia. As pessoas atrás ficaram reclamando “a gente ia almoçar…” e eu disse: “mas vocês vão almoçar! No posto de gasolina na estrada.” enfim, toda a viagem foi uma guerra fria. No posto de gasolina eles demoraram 40min comendo, eu em contra partida parei por 2h em Bruxelas pra comer e dar uma volta na cidade :) Ficaram me esperando no mc donald’s. Mas a viagem só acaba quando a gente chega em casa né? só pra terminar o post mais gigante de toda a minha vida eu digo: na estrada, noite, choveu GRANIZO. O desespero de não ver nada e escutar aquelas porradas no carro foi equivalente ao desespero das primeiras horas do acontecido.

Lição 7- Prejuízo um dia a gente recupera. Eu cheguei viva mesmo pensando que era ali mesmo que eu iria morrer. E mesmo depois da viagem eu quis morrer mais um pouquinho… descobri que um passaporte novo custa €160 e me dei conta que toda a minha maquiagem estava na mala. Demorei anos pra montar meu estojo :( Todas as minhas blusas de frio que comprei aqui se foram, minhas botas também. Voltei a ter em meu guarda roupa apenas blusa de alcinha, vestidos e saias. Todas as minhas anotações dos artigos que li pros exames finais estavam no meu ipad :/ Meu Ipad!!  Não sei se terei dinheiro pra comprar roupa de frio de novo ou recuperar o tempo perdido para ler todos os artigos mais uma vez. E pra fechar a história eu cravei uma briga com Europacar porque eles me cobraram o vidro quebrado do carro que tinha seguro. Ou seja… a história ainda não teve fim, até porque mês que vem tem a conta do celular.

E sabe aquela galera? Ainda me devem dinheiro e acham que estão fazendo um favor em me pagar mas hoje eu mandei todos eles procurarem no google translator o que significa “socar esse dinheiro no *%”. Existem teorias defendidas que foram eles que roubaram minhas coisas, eu prefiro achar que não, seria ódio demais para um coração só.

Bola pra frente que eu ainda quero fazer gol! :D Tem dias que eu acordo com uma depressão daquelas quando eu preciso ler um artigo e não tenho mais meu tablet, ou quando eu procuro aquele meu casaco que eu amava e não tem ele mais no guarda roupa. Mas quer saber? Fui roubada no Marrocos há 7 anos e conto a história pra todo mundo como  uma super aventura. Espero um dia contar essa história com um sorriso no rosto também.

Agora é parar de viajar ou sair pra não passar frio ou fome :P Sem mais posts/viagens por um longo tempo pessoal, espero que entendam. E se quiserem fazer doações de ipads, roupas ou maquiagem meu contato é rebecca.cirino@gmail.com :P

Beijo.

*UPDATE*

Acabo de receber uma multa por excesso de velocidade! A história não tem fim, o meu dinheiro sim…

multa

Anúncios

3 comentários sobre “Lições de uma viagem sem fim – Parte 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s