Ilha de Capri – Itália

Poder • Luxo • Ostentação

SQN.

Segundo dia na costa abrindo os trabalhos acordando cedo e descendo o morro BOM DIA COMUNIDADEEEE, partiu Capri!

IMG_8799

Alugamos uma lancha só pra gente pra fazer o passeio que foi de Positano para a Ilha de Capri. Existem barcos que fazem o mesmo passeio que você basta comprar o bilhete na orla e embarcar, custa em média 30/40€ e vai umas 30 pessoas no mesmo barco. Porém como estavamos de galera, a gente preferiu dessa forma, no preço inicial era 70€ por pessoa mas o cara fulerou com a gente e acabou baixando o preço pra 38€ haha foi negócio e eu vou explicar o por quê.

Começamos o passeio super empolgados porque a lancha era realmente muito legal, toda acochoada, super confortável e o guia falava inglês. Mas euzinha não escutava era nada que ele dizia porque eu fiquei na ponta do barco só pousando paras as redes sociais #prioridades

IMG_8800 IMG_8801

IMG_8803

Brinks, eu escutei algumas coisas sim… No passeio a gente passa por várias grutas que ficam ao redor da ilha e o guia conta umas histórias legais sobre as pessoas que habitavam na ilha e tal, mas ngm aqui ta interessado em saber disso ne? povo passa direto nos textos que eu to ligada! haha A gente pode mergulhar só em uma das grutas.

IMG_8804

O show mesmo desse passeio é a tal da gruta azul e é aí que entra a vantagem de ter um barco “próprio”. Existem duas filas pra visitar a tal gruta, uma da galera dos barcos grandes e outra para os barcos pequenos. Obvio que a fila pra barcos pequenos é menor porque eles “atendem” os barcos menores mais rápido. A entrada é bem apertada e a gente tem que deitar no barquinho.

IMG_8802

IMG_8805

E porque ela é tão famosa Rebecca? Porque ela é surreal de linda :D Porém o passeio dura menos de 3 minutos haha é ridículo mas vale a pena pra dizer EU FUIIII A gente viu uma galera nadando la dentro mas nos falaram que isso é proibido porque uma vez a maré subindo rapidamente, adeus vida. Ah, e o barqueiro sempre pede gorjeta no final, mas a gente como bom brasileiro chora muito porque po, o ingresso pra ter um passeio de 2 minutos dura 13€!! Não é nada justo ainda dar gorjeta pro camarada, concordam? :P #amarrada

Enfim, passado o pop star do passeio, descemos na ilha e fomos almoçar. A cidade é uma LOUCURAAAA gente pra todo lado, um fuzuê, valaminhanossasenhora mas é uma ilha bem interessante sim, porém preferimos a tranquilidade de Positano. Ahhh quem vai em qualquer ilha da costa DEVE provar o drink de limocello! Ta, deve não… mas po, tu ja ta aí ne? prova.

IMG_8807

IMG_8806

Ja pode pedir passaporte italiano com essa foto?

No alto da ilha (pega-se um trenzinho e custa 1,80€) tem as grife do mundo todo e a guia nos falou que a cidade so funciona de abril a outubro e que depois disso tudo fecha porque ninguém vai (inverno) OU SEJA eles lucram o suficiente para se manter nos outros meses! haha genial #partiucapri No Caminho do Jardin Augustus você passa por uma sorveteria com fila, não pare nela mais abaixo tem uma sorveteria com o melhor sorvete de chocolate da vida ♥  E o jardim Augustus é uma parada obrigatoria em Capri. A vista é linda!  Me lembrou as falésias de Etretat :D

IMG_8808

No fim do dia a gente ja tava tudo com banzo de sol na fuça e o cara da lancha que deveria levar a gente de volta FUROU com a gente! A gente não tinha pago todo o passeio e não aceitamos pagar o resto, OBVIO hahaha dai por isso saiu 38€ por pessoa :) A gente acabou voltando de balsa, que vale ressaltar que é uma mundiça da mulesta sem organização nenhuma, mas chegamos em paz :D

IMG_8809

 

Valeu Capri! ♥

Ravello / Amalfi – Costa Amalfitana – Itália

O bonde não parou :D

Semana retrasada parte da minha família veio passar férias no inferno europeu, vulgo verão europeu.

IMG_1798

E preciso começar essa história falando de uma senhorinha muito doce que me hospedou no dia anterior do vôo. Como eu moro longe do aeroporto e eu voaria às 7h da manhã eu procurei um couchsurfing para passar a noite e madrugar no dia seguinte pra ir ao aeroporto de Orly. Achei a Cécile, 65 anos, cabelos vermelhos e uma hospitalidade no qual eu nunca tinha visto. Ela me tratou como sua filha, me pegou na estação de metro, me fez jantar, me reservou uma quarto muito confortável na sua casa e ainda acordou às 5:30 pra me levar ao aeroporto! Foi uma experiência na qual eu nunca vou esquecer, ela foi realmente um amor e se der vou visita-la quando for em Antony (cidade onde fica um dos aeroportos de Paris). Quem precisar de seu contato: https://www.couchsurfing.com/people/cecilganeval/ ♥ Essas coisas a gente compartilha com amor.

 MAS VOLTANDO…

Cheguei amoreeeee miooo! A Itália tem alimentado esse blog (e meu bucho) tantas vezes que eu tenho um carinho especial por esse lugar. É um povo muito parecido com a gente, que fala alto, fala com as mãos, come bem… No sul da Itália até as ruas são parecidas com o Brasil. Na saída do aeroporto de Napoli, peguei uma van pra ir pra costa Amalfitana e o caminho eu me senti na linha vermelha lá no Rio, uma lindeza! :D sqn. Mas olha,  pra ir pra costa você tem a opção de ir de busão, mas não aconselho muito… demora uma vida porque sai parando em tudo que é canto e no calor é sempre aquela delícia ne? A van você paga 40€ e vai direto, com ar condicionado tinindo. Vale o investimento :) mas se quiser busão mesmo, seu investimento não passa dos 15€.

Cheguei na Costa 1h e meia depois num calor de 45°C na fuça e uma ansiedade enorme de ver a galeraaaa… éramos 9 pessoas. Meu irmão, meu pai (a sensação das minhas redes sociais) e toda a familia da noiva do meu irmão. Cirino-Cavalcante’s tour.

IMG_1797

Nosso ponto de encontro foi Amalfi no qual eu não tive tempo nem de tirar uma foto na frente da igreja mas vai ai uma foto do pessoal me esperando chegar em frente dela :D

IMG_1800

Ela parece muito com as igrejas da Toscana

Assim que eu cheguei, nos chegou a informação que legal mesmo era Ravello, cidade que fica no topo da montanha e uns 20 minutos torrando dentro da van a gente chegou e lá… e não-tem-nada hahaha a gente almoçou num restaurante super legal, que o dono morou no Brasil e ficou conversando patota com a gente e fomos em um único lugar que vale a ida… Jardins de la Villa Cimbrone (clica nesse link e sente o drama) O local na verdade é um  hotel mas que você pode pagar 7€ pra visitar o jardim. Eu achei beeeem caro, se eu tivesse sozinha não entraria mas pagaram pra mim neah hahaha

IMG_1803

IMG_1805

E pronto cabou Ravello. Eu gostaria muito de ter visitado mais Amalfi, parece ser uma vilazinha interessante então fica uma foto do google aí procês:

amalfi-coast-1

Ah não pera!!! Tem foto de Amalfi nublada, serve? :D

IMG_1806

Voltamos para Positano de balsa. Custou 8€ o ticket e como eu tava com minha malinha, tive que pagar 1,5€ por ela o.o Próximo post vai ser so riqueza e ostentação: Passeio pela Ilha de Capri (juro, sai ainda essa semana)

arrivederci! :)

La Fête Nationale Française – France

Olaaaaaaaaaaar meu povo!

Como anda essa vida? na santa paz! Respondo por vocês.

Então, tentando retomar o ritmo de posts (no qual minha dissertação não me proporciona maiores tempos de dedicação a esse humilde blog) pensei que seria legal compartilhar com vocês o “7 de setembro” francês. La Fête nationale française ou bastille day ou dia da queda da bastilha ou dia de feriado eeeeeeeeee

tamanho

Aqui quando o feriado cai na quinta ou terça os franceses chamam “fazer a ponte” conhecido pelos brasileiros como “emendar o feriado” e eu sempre escutei isso que  T-O-D-A-S AS EMPRESAS FAZIAM ISSO mas aí… a minha não faz, rá. Mas quem liga ne? Tivemos feriado do mesmo jeitooo :)

Fiquei super empolgada de ir pras ruas e ver as pessoas com bandeirinhas e sendo super orgulhosas de serem francesas PORÉM, Paris tem tudo menos Francês ne? haha turista pra todo ladoooo! A avenida Champs-Élysées lotada, tudo muito organizadinho pro presidente passar.

IMG_1400

O desfile é meio chato mas quando os caças da força area francesa passa por cima da geral soltando as corezinhas da banheira EITA CORAÇÃO! Lindjimais.

IMG_1401

E aí acaba tudo, meu amigo François Hollande passa e todo mundo fica no meio da rua pra lá e pra cá. Eu voltei pra casa porque o calor não tava dos mais agradáveis e a “noite” (19h) eu voltei pra área da Torre Eiffel pra ver a taaaal queima de fogos. Me falaram que para ver legal tinhq que ir pro Camp de Mars (gramado em frente a torre) e presaria chegar muito cedo. Mas estava humanamente impossível chegar até lá e a gente optou por ficar um pouco mais longe. A queima começa as 23h e eu cheguei as 19h ne? Isso pra mim é cedo demais. Na estação Trocadeiro onde tem um grande terraço com vista pra torre estava fechado :( ENFIM esperamos 3h pra um espetáculo mais significativo que lindo. Mais significativo porque P@**4 , EU MORO EM PARIIIIIIIIIIIIS AAAAAAAHHHHHHH ♥

IMG_1402

Depois vi no youtube que o lugar que eu tava nem era dos melhores, num deu nem pra escutar músiquinha :( Que inclusive teve até música brasileira tocando! Quem tiver paciencia de assistir 30min de fogos na frente do computador, ta aqui video Lindão! 

Esse ano o 14 de Julho “deu as boas vindas ao mundo” e tocou músicas das principais nacionalidades que visitam/moram no país, controverso porém sobre imigração falarei em outro post mais polêmico porque esse aqui é só alegria.

Agora imagina se essa cidade investisse em uma festa de ano novo?

Mas é isso, achei que compartilhar esse programa de indio evento seria uma boa pra tirar esse blog das moscas :) 

Semana que vem tem surpresaaaaa :D Acompanhem no snapchat (rbccacrn)

BêÊêjuuu

Hello Brasil

EITA MULHER! Eu juro que tento manter esse blog atualizado mas depois dessas férias no Brasil tudo aconteceu muito rapido e eu quase fui atropelada pela vida, que olha TA BEM JÓIA :D

Bom, eu tava toda trabalhada na fé. Comprei minha passagem de volta pra França sem saber ao certo o que mulesta eu iria fazer por aqui porque a única coisa que eu tinha com certeza era um visto válido até dezembro 2015. PORÉM, parece que o jogo virou não é mesmo? Dias antes de embarcar de volta pra França recebi uma proposta de emprego, fiz uma entrevista no dia de embarcar e voei com destino a felicidade :) Eu estava voltando pra França com um proposito, work!!! Olha só como Deus é caba bom! ♥

Como agora sou assalariada (em Euros! Eita Jeová maravilhoso haha) preciso trabalhar segunda à sexta, horário comercial.. As viagens e a Vid4Lok4 vai ter uma pausa poréééém, I’m living in Paris né mores? Ou seja, post vai ter, só não sei se vai ter tempo :( Mas quem quiser acompanhar, em tempo real, essa doideira que é ser Rebecca, segue aí no snap! rbccacrn To me divertindo muito acompanhando a novela da vida real e to podendo compartilhar a minha novela também :)

FullSizeRender

Mas ó,  em duas semanas eu comecei a trabalhar, tive que catar um teto  e começar minha tese <o> Tive também que editar esse video maravilhoso que retrata como eu sou feliz quando piso em solo brasileiro e o que eu disse no post passado é verdade, eu AMO isso aqui mas que pena que tudo anda tão “zoadinho”. Porém meus amigos gringos não conseguem ler isso  então esse video vai servir pra mostrar como esse país é  paradísiaco, perfeito, lindo, morro de saudades, aimeudeusdoceu!

Aperta o Play macaco!

Até o próximo snap ♥

(ou viagem, nunca se sabe)

A tristeza do alívio

Eu sempre tive uma vida muito confortável no Brasil, graças a Deus meus pais nunca me deixaram faltar nada. Estudei nos melhores colégios que me capacitaram para entrar numa universidade pública, tive carro, mesada e viagens sem fim. Eu simplesmente não tinha nada a reclamar a não ser uma coisa: nada daquilo era meu. Meu, no sentido de: eu que conquistei. 

Eu tive uma educação financeira dos meus pais, que mesmo me dando tudo que eu precisei, sempre me mostraram o quanto não era fácil conquistar tudo que me deram. Porque, crianças, a gente não sabe absolutamente de nada até ganhar seu primeiro salário, não tem mesada que se compare ao primeiro salário.

Mas e daí? Daí que para ganhar meu primeiro salário eu me debandei para o Rio de Janeiro porque infelizmente ter criatividade na cidade onde eu morava não pagava o equivalente ao que meus pais um dia me deram e eu achava que no Rio seria diferente. Marinheira de primeira viagem, esqueci que exisita uma coisa chamada custo de vida, que meu salário deveria ser compatível com o que eu gastaria para ter o básico na vida: vida. Infelizmente depois de 2 anos e meio, todo fim de mês eu ainda precisava daquela velha mesada do meu pai. Mesmo baixando minha qualidade de vida, andando de ônibus, dividindo apartamento com pessoas estranhas (e perigosas) e comendo marmita eu não achava que tinha conseguido o que eu queria pra mim. Mas a cidade me oferecia outro tipo de qualidade de vida, o pôr do sol no arpoador, o andar de bicicleta na lagoa, as noitadas na Lapa… de alguma forma tudo aquilo ainda valia  a pena.

Até que eu cresci. Eu vi que não poderia viver para sempre daquela forma, que eu tinha passado dos 25 anos e que em breve eu começaria a pensar em constituir uma família ou em investir em algo meu. Eu precisava parar de comprar vestidos da Farm parcelados em 12x. O peso da cidade muito cara e salário muito baixo gritava no meu ouvido a cada greve de ônibus, a cada sapato que ia embora com a enchete, a cada assalto no centro da cidade que a gente via no jornal, tudo me alertava para um problema que estava apenas começando. O Rio de Janeiro ainda estava lindo quando decidi abandona-lo. De toda a educação financeira que um dia eu pude ter, nada se compara a experiência da prática. Pesquisei e fiz as contas, morar na França seria mais barato que morar no Rio de Janeiro, foi muito triste ter que dizer adeus, de verdade.

Eu sempre fui muito ligada as minhas origens, nunca abandonei meu oxe e agreguei o cara no começo de todas as orações cariocas, sinto falta do feijão verde e do cuscuz como quem sente falta da cervejinha do final de semana. Nunca quis ser outra coisa que brasileira, acho meu passaporte lindo e não tenho menor interesse em dupla cidadania. Lembrar do clima, das pessoas e do humor típico do brasileiro me faz sorrir e amar ainda mais esse lugar. “Amor bem bandido, admito. Igual paixão por cafajeste – você toma na cabeça quase o tempo todo mas gosta.”  Escutar os gringos encantados quando falo que sou brasileira é como ter nascido com um dom, reconhecido mundo a fora, de ser parte de um país paradisíaco. A gente sente como se algo ao nosso redor brilhasse quando a gente diz: I’m brazilian. E aí como uma mãe a gente sente vergonha e tristeza de ver que seu filho, cheio de potencial, entregue. À violência, as drogas, a corrupção, ao jeitinho brasileiro… que deveria ser difundindo por nossa maneira de saber resolver qualquer problema com criatividade e bom humor e não como malandro safado que pensa que é mais inteligente que todo mundo.

Dói saber que o garoto que morreu esperando o ônibus em frente ao UFRJ poderia ser eu que sempre peguei o 434 pra ir pra casa, eu que sempre andei de bicicleta na lagoa poderia ter sido esfaqueada em um desses passeios. Poderia ser eu a assaltada em praça pública fazendo meu trabalho muitas vezes não valorizado ou ser atropelada por um irresponsável que ainda não entendeu que beber e dirigir é crime. Dói saber que eu tive que sair pra poder escapar de ser eu uma vítima e dá um alívio enorme de não ter que pagar R$200 de conta de luz ou racionar água em banhos de 5 minutos.

De todas as pessoas que encontrei nesse pedaço de férias o assunto é o mesmo: também estou pensando em ir embora. Amigos, ter me expatriado não me faz menos brasileira e por isso esse texto existe porque eu não desisti do Brasil, ele que desistiu de mim. Essa, sem dúvidas, é a minha maior decepção e entendo que é a de vocês também. “Morar no Brasil é uma merda mas é bom, morar fora é bom mais é uma merda” já dizia  o brasileiríssimo Tom Jobim que morreu em 1994… em 1994. 

Hoje um amigo compartilhou no facebook que mais de 300 vistos de Investidor, nos EUA, foram concedidos aos Brasileiros em 2014. Faço as palavras dele as minhas: “Ora, para se obter esse visto americano uma pessoa precisa investir nos Estados Unidos a partir de U$ 500mil (cerca de R$ 1milhão e 500mil Reais) e gerar pelo menos 10 empregos diretos. Ai me veio a tristeza de perceber que nós estamos perdendo empreendedores que desistiram de gerar empregos no Brasil para levarem o capital e sua inteligência para outra nação, pois não acreditam mais em nossa sociedade. Não estamos falando de adolescentes que estão indo passar uma temporada no exterior, ou de pessoas que por força das circunstâncias estão indo morar nos Estados Unidos para trabalharem em subempregos, mas se trata de brasileiros com capacidade financeira e intelectual de gerar benefício financeiro e labora”

“Mas e aí? Terminasse o mestrado? volta pro Brasil?” Não… não agora, quem sabe um dia, quem sabe. É minha terra, minha língua, minha gente, eu amo isso aqui. Eu volto, mas só quando ele realmente me quiser por perto, valorizar meu trabalho, me proporcionar segurança e liberdade. É mais uma questão de amor próprio do que amor ao próximo sabe? Afinal ainda sou brasileira…

Ela disse adeus

“Vou sair pra ver o céu Vou me perder entre as estrelas Ver de onde nasce o sol Como se guiam os cometas pelo espaço e os meus passos Nunca mais serão iguais”

Eu escutava essa música do Paralamas há uns 10 anos  quando eu sonhaaaava em sair de casa e dominar o mundo,  o quanto seria massa conhece-lo e sei lá… viajar. Eu pensava que ia ser assim, facim. Sair do país é uma experiência esmagadora, animadora, solitária, frustrante, que te desperta e que te trás muitos presentes, diversão… é muito doido. Se eu tivesse um conselho a dar seria: saia da casa, diga adeus a papai e mamãe e bote a cara no sol, monaa!

Esse post é como um dos vários escritos aqui, ele começa com um adeus. Hoje eu me despeço da cidade dividida por dois momentos, duas casas, três idiomas e várias pessoas. Rennes, minha pequena Rennes <3

IMG_0604

IMG_0602 (1)

Se passaram oito meses e sinceramente não tenho como descreve-los assim num post de despedida. Foram tantas emoções, bicho. Tanta barreira que eu tive que transpor, tanta risada, tanta gente especial, tantas lágrimas, tantas situações no qual eu me senti uma retartada. Tantas as vezes que eu odiei esse lugar e tantas as vezes que eu engoli seco e disse: VAMOBORA. E pesssoas, elas são sempre sensacionais né? :D  E tive a melhor flatmate de ma vie! ♥ Foram 4 meses sem nenhum stress, de companheirismo e muitas risadas, o mundo precisa de mais pessoas como você Raphys!

 

Rennes foi uma surpresa maravilhosa, um lugar que me fez me sentir em casa, um pontinho no meio da França que no qual eu descobri uma França genial! Incrivelmente eu consegui ir de norte à sul, do leste ao oeste desse país, coisa que eu nunca planejei fazer, fui movida pelas oportunidades *e feriados* que surgiam e mermão, eu andei demais minha gente… (ps. faltou bordeaux e Marseille)

IMG_0603 IMG_0146

Agora é época de achar que ainda tenho 22 anos e correr atrás do prejuízo de viver, eu acho que passei tempo demais decidindo o que queria da vida sem experimentar realmente o que eu queria da vida, acabou que em 8 meses eu fiz tudo o que eu nunca imaginei que queria fazer. E sabe o que é melhor disso tudo: é que ainda tem muito maaaaais!!!

 

Tinha dias que batia uma depressão e uma vontade de desistir. Eu sentia que tava perdendo tempo de experiência de mercado ou que eu tava perdendo simplesmente tempo. Hoje me encontro quase lisa, procurando um emprego que ainda não veio mas completamente realizada pelas escolhas que eu fiz! Nada nesse mundo paga esses 8 meses e o turbilhão de coisas que eu aprendi por aqui. Eu só preciso olhar pra trás pra ter certeza que o que me espera lá na frente ainda é muito mais animador!

IMG_0148 (1)

“Ele ganhou dinheiro Ele assinou contratos E comprou um terno Trocou o carro E desaprendeu A caminhar no céu E foi o princípio do fim”

Então graças a Deus porque eu joguei tudo pro ar, vendi tudo que tinha e deixei tudo pra trás! Avante que o mundo é grande demais e ta se acabando ligerim! Próxima parada: Rebecca’s Brazil tour rááá!

Vale do Loire – França

Eita que eu to com a gota! Quando eu comecei esse blog eu nunca imaginei que eu iria alimentá-lo tantas vezes, delícia :D

Então, eu e minha flatmate embarcamos numa excursão de colégio (cursinho de francês) pra vistar os ricos castelos do Vale do Loire, interior da França. Consiste em uma área de mais de 300 castelos que datam do século X atééé num sei quando :P, lá  se concentra o maior número de castelos em todo o mundo. Só que, tivemos a grande ideia de ir pra uma festa na noite anterior e esquecemos de voltar pra casa a tempo de fechar os olhos… O ônibus partia as 6:15 da manhã e as 6h estavamos catando tudo pra não perder o bonde! Eita carreira! Conseguimos :D E claro, as novinha aqui não é mais novinha né? a gente chegou no primeiro castelo se arrastando por 3L de água e um sofazinho mais próximo.

vários efeitos na foto e um óculos escuros, estamos novas!

O primeiro castelo que visitamos foi o Château de Blois e que a gente viu em 5 minutos. Não me encantou muito… cidade era mais interessante, bem bonitinha como todas as cidades do interior da França. Minha opinião, o Château de Blois pode passar batido viu?

   

Blois

Levamos um banho de chuva bem básico pra acordar pra vida e seguimos pra conhecer outro castelo, o Chenonceau, do século 11, que pra mim foi um dos mais lindos! E que tem uma história muito legal, ele foi construído (ou mandado construir) exclusivamente por mulheres, ele é conhecido por “castelo das damas” e deve ser por isso que ele é tão lindão! Há dois jardins no castelo e um labirinto de plantas que são maravilhosos. Quando você visita é possível adquirir o audio guiado junto com o bilhete, existe em várias línguas e o áudio é um Ipod! Daí você mesmo pode ver videos, fotos e mudar a língua quando quiser #interatividade

   

Pena que a excursão foi mal planejada porque tivemos pouquíssimo tempo pra explorar o castelo :( ps. escrevendo esse post notei que no papel da excursão tinha uma visita ao castelo de Saumur que parece ser bem lindão e a visita não aconteceu! #procon Mas olha que lindão:

Chateau de Saumur, Saumur, France

#chatiada

No dia seguinte o tempo deu uma melhorada e fomos visitar outro castelo bem interessante, o Fontevraud que na verdade não é um castelo é uma abadia que já foi prisão, igreja, monastério, necrópole, djabo a 4 e que foi fundada em 1101. Funcionou durante muito tempo como monastério mas foi transformado, durante a revolução francesa, em prisão, que funcionou ate 1963. Inclusive um dos ex-guardas ainda mora na cidade. Porém, ao meu ver, prisão e monastério não tinha diferença nenhuma uma vez que os religiosos não tinham direito a fazer absolutamente nada, até pra comer eles tinham apenas 45 min só que 20min era de leitura da bíblia antes de comer haha e só podia comer 2 vezes ao dia #Deeeeusquemelivre

E sabe aquelas cantorias religiosas que a gente conhece como canto gregoriano? Então, o prédio dava muito eco e como eles não tinha um microfone pra fazer todo mundo escutar o que era dito, eles cantavam as informações. A guia cantou pra gente e foi muito bonitinho. É interessante porque eu que já to cansada de ver igreja por aqui, pela primeira vez vi uma igreja completamente vazia, sem bancos, sem santos sem vitrais, ela por dentro é toda branca, sem nada.

 

Hoje o espaço é destinado, além de visitas turísticas, eles fazem shows! Imagina que massa um show dentro de uma igreja! No primeiro andar tem um espaço de artes muito massa. Uma instalação com barcos e bastões pendurados que fazem barulho de cristais quando se batem (não sei descrever sons, bjs) e depois de toda a história de prisão e gente ficando doida por conta da castidade e bla bla bla você viaja na instalação. Hoje a abadia é considerada patrimônio mundial pela Unesco e uma informação interessante é que arqueólogos ainda trabalham no local e a guia disse que a cada visita que ela faz, uma informação nova é adicionada pois eles ainda estão descobrindo muitas coisas sobre o local. Enfim, almoçamos por lá e aproveitamos o sol que fazia tempo que a gente não via.

Eu estudando cof cof

 

E aíííí pra terminar o final de semana, fomos para o Chateau de Brissac que pertence a família Brissac que é tem um vinho que é delícia! O castelo em si é bonitão e é engraçado ver as fotos da família espalhados pela casa, a gente ta acostumado a ver quadros de pessoas que parecem personagens mas quando você ve um piano cheio de fotos em preto e branco e algumas até coloridas cai a ficha de que: pessoas viveram mesmo aqui. O massa desse castelo são duas coisas:

1– Existe um teatro de ópera dentro do castelo porque a dona simplesmente queria ser cantora lírica e txum vou ~fazer meu próprio teatro~, #básico e

2– Esse é castelo de Caras hahahaha A revista mentirosinha que manda os artistas para tirar foto lá dizendo que é o castelo de Caras, pia mermo! A entrada é €10 amor, tem nada de glamour viu? Até eu fui capa da Caras depois dessa.

pia a foto do castelo de caras hahaha

   

O fim de semana se findou e foi um passeio que valeu muito a pena. Quem quiser conhecer mais castelos faz uma busca aí no google que tem uns lindões e venham no verão pra não ter a infelicidade de tirar fotos na chuva. Ah! Outra coisa, existe um passeio de balão por lá que dá pra ver todos os castelos de cima, andar de balão é algo mágico, fiz isso na Turquia e me apaixonei! Nossa viagem saiu por €85, baratim :)

eu fingindo ser feliz :D

  A próxima viagem nesse blog seria para Barcelona mas ~eu perdi o vôo~ quéeén.

Então, até sei lá quando :)